O projeto VIVENDO O FOLCLORE, instituído com a finalidade de construir, na escola, espaços e momentos de valorização da cultura e da arte popular, oportuniza aos(às) educandos(as) e educadores(as) de 1º e 2º anos do Ensino Médio conhecerem, através da pesquisa e de outras manifestações, aspectos históricos, políticos, econômicos, sociais, culturais e artísticos de diferentes povos ou regiões, especialmente no campo da dança e, ao mesmo tempo, socializarem o conhecimento construído com a comunidade educativa.

 

 ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS

  1. O projeto VIVENDO O FOLCLORE é atividade curricular, mas não obrigatória. No entanto, considerando sua tradição, bem como as dimensões pedagógica e coletiva inerentes a ele, todos(as) os(as) educandos(as) são convocados(as) a participar do projeto, desenvolvendo competências e habilidades na relação entre a cultura popular e o saber científico, na construção da autonomia, no respeito ao outro, na valorização do trabalho coletivo, no fortalecimento do vínculo afetivo entre os componentes da turma.
  2. É um projeto coletivo, ou seja, da turma, composto por 04 (quatro) etapas, acompanhado pelos(as) educadores(as) e em consonância com as famílias.
  • Construção do projeto por cada turma: escolha da dança, escolha do(a) coreógrafo(a), organização da pesquisa.
  • Entrega do projeto ao SEAC/NAP.
  • Participação nos ensaios no espaço do Colégio e em outros espaços.
  • Elaboração de um documentário em vídeo, apresentando a dança em todas as etapas constitutivas do projeto: escolha da   dança, coreografia, figurino, música. No documentário, deverão ser incluídos depoimentos, reportagens, entrevistas.
  1. O projeto será desenvolvido de forma interdisciplinar, envolvendo os componentes curriculares de Língua Portuguesa, Literatura, Produção Textual, Arte, Educação Física, História, Geografia, Filosofia, Sociologia e Cultura Religiosa.
  2. Durante o desenvolvimento do projeto, cada turma contará com o apoio mais direto do(a) educador(a)-referência que acompanhará o trabalho desenvolvido, orientando, esclarecendo dúvidas, enfim, sendo o elo entre a turma, o(a) coreógrafo(a), o NAP e o SEAC.
  3. As danças folclóricas contemplarão danças internacionais e nacionais, considerando os 05 (cinco) continentes no seguinte quantitativo: AMÉRICA (04), ÁFRICA (02), ÁSIA (04), EUROPA (03) e OCEANIA (01).
  4. A dança de cada turma será definida mediante sorteio, após a apresentação do projeto/2018.
  5. Cada turma construirá o projeto, com a indicação da dança e do(a) coreógrafo(a) e incluindo a pesquisa realizada sobre a dança escolhida. Esse projeto será entregue, ao SEAC/NAP.
  6. O documentário a ser elaborado por cada turma será entregue, ao SEAC.
  7. Os ensaios fora do Colégio deverão ser realizados, em até duas vezes por semana, e agendados em dias e horários fixos, no sentido de contribuir com a organização do(a) educando(a) e de sua família. Somente, no mês de agosto, essa quantidade de ensaios semanais poderá ser ampliada em comum acordo com os(as) educandos(as).
  8. A turma apresentará uma dança folclórica internacional ou nacional de tradição, compatível com a filosofia do Colégio. Deverá refletir a autenticidade, não cabendo, portanto, estilizações que comprometam a sua originalidade. Por ser uma manifestação popular e de domínio público, o folclore não pode ser apropriado ou gestado por grupos ou coreógrafos para não perder a sua real identidade. Logo, “inventar” uma dança não é fazer folclore.
  9. Não poderá ser montada uma coreografia já exibida no ano anterior.
  10. Cada turma poderá ter um(a) coreógrafo(a)/um(a) profissional de dança que ficará responsável pela coreografia, ensaios, figurino e cenário.
  11. Antes da escolha do(a) coreógrafo(a), cada turma deverá procurar o SEAC para obter informações sobre a atuação desse(a) profissional na área de dança popular e nesse projeto.
  12. Após as definições da dança e do(a) coreógrafo(a), a turma preencherá, no SEAC, uma ficha de inscrição. Qualquer modificação na ficha de inscrição, que venha a ser necessária, poderá ocorrer até um uma data agendada. Os casos omissos serão tratados pela comissão organizadora.
  13. Caberá ao(à) coreógrafo(a) seguir as orientações dadas pela Direção, coordenação pedagógica e coordenação do SEAC em relação a orçamento, ensaios, postura e responsabilidades na condução do trabalho, através de um contrato/termo de compromisso assumido entre as partes.
  14. A participação do(a) educando(a) no projeto dar-se-á em duas dimensões:
  1. nas atividades de elaboração do projeto, do documentário como forma de socialização das aprendizagens a partir do projeto desenvolvido por cada turma;
  2. na evolução da dança, atuando na preparação do cenário, na produção executiva, na participação nos ensaios e durante a apresentação na Festa do Folclore.
  1. Serão disponibilizados horários e locais para ensaio, no Colégio, durante o mês de agosto.
  2. A apresentação da dança será executada no tempo máximo de 10 (dez) minutos.
  3. Nas apresentações não será permitido o uso de material inflamável e/ou tóxico.
  4. A apresentação das danças seguirá uma ordem a partir do sorteio a ser feito, com a presença de um(a) representante de cada turma.
  5. Cada turma elaborará um resumo explicativo da dança para ser entregue à comissão julgadora. O texto terá, no máximo, 10 (dez) linhas, será digitado em fonte Arial ou Times New Roman – 12 e entregue, no SEAC.
  6. Cada turma gravará a trilha sonora em CD e o entregará, ao SEAC.
  7. Qualquer material informativo (textos, panfletos e/ou lembranças) a ser distribuído deverá ser entregue, no SEAC, até o dia anterior à festa.
  8. As danças serão avaliadas por uma comissão julgadora composta por especialistas da área, a partir dos seguintes critérios: conjunto (harmonia), originalidade (fidelidade às origens), criatividade, coreografia, indumentária e música.
  9. A premiação será entregue às turmas que obtiverem 1º, 2º e 3º lugares.
  10. Sendo o projeto uma construção coletiva, os segmentos envolvidos deverão estar em constante comunicação e sintonia, partilhando os avanços e os entraves para crescimento de todo o grupo. A turma deverá envolver o(a) coreógrafo(a) no processo, inclusive garantindo sua participação em reunião(ões), com a Direção e/ou SEAC, previamente agendada(s).

 AVALIAÇÃO

A avaliação será realizada, ao longo do processo, contemplando as atividades previstas e terá uma pontuação de 0 – 5 pontos a ser agregada à nota da AV2, nos componentes de Língua Portuguesa, Literatura, Produção Textual, História, Geografia, Filosofia e Sociologia; ou valerá de 0 – 10 pontos, em substituição ao trabalho solicitado nos componentes curriculares de Arte, Educação Física e Cultura Religiosa, no terceiro trimestre.

As atividades deverão ser realizadas por todos(as) os(as) educandos(as) envolvidos(as).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Limpar formulárioEnviar