Durante quatro anos, o Instituto Marista de Solidariedade/IMS, unidade de assessoramento da Província Marista Brasil Centro-Norte/PMBCN, executou o projeto Centro de Formação e Apoio à Assessoria Técnica em Economia Solidária – Rede CFES Sudeste. Entre os dias 19 e 22 de junho, em Lagoa Santa (MG), os educadores da economia solidária dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo participaram do Seminário CFES: Encantado a vida e envolvendo o mundo com a economia solidária, que dentre os objetivos visava debater os temas geradores vivenciados ao longo da execução do projeto.

Juventudes, mulheres, cooperativismo social, capitalismo, educação popular, direitos, comunicação e outras formas de encantar a vida social foram alguns dos temas discutidos entre os participantes do Seminário. Entre os convidados para ajudar nas reflexões estiveram os próprios educadores do projeto e, também, o professor Carlos Rodrigues Brandão (Unicamp), professora Lia Tiriba (UFF), professor Roberto Marinho (UFRN), Ir. Paulo Henrique Martins (PMBCN), Milda Moraes (PMBCN), Daniel Tigel, Pedro Otoni,  dentre outros.

Ao falar na primeira mesa de debate, Lia Tiriba relembrou que a economia solidária é a possibilidade de dar novo sentido ao trabalho, sendo que existem outras formas de produzir a vida social alternativas ao capitalismo, ao provocar sobre a necessidade de construir um futuro melhor. “A classe trabalhadora tem o direito de se educar, mas se quiser transformar o mundo tem o dever de se educar”, afirmou a professora. Já na mesa que abordou o cooperativismo social, a educadora Maria de Fátima Pinto Vulpe, da União dos Cegos Dom Pedro II/Unicep de Vila Velha (ES), explicou que a economia solidária contribui para a inclusão. “A economia solidária muda valores da sociedade , transforma a realidade de milhares de pessoas e a desconstrói preconceitos, principalmente os relacionados a pessoas com deficiência”, disse Maria de Fátima.

Na roda de conversa sobre juventudes, Daniela Rueda, da Juvesol (Rede Juventude e Economia Solidária), falou sobre a necessidade de encantar os jovens a fim de abrir olhares para novas maneiras das pessoas se reconhecerem, promoverem e protagonizarem a cultura da solidariedade em suas práticas cotidianas. Por sua vez,  Milda Moraes, diretora do Instituto Marista de Assistência Social/IMAs, apresentou o retrato do direitos humanos de crianças e adolescentes contidos no relatório Cadê Brasil 2016. “Precisamos transformar a realidade de nossas crianças e adolescentes a partir dos contextos em que estamos. Necessitamos pensar o trabalho emancipado tendo em vista os crianças como horizonte de futuro”, provocou a diretora.

O projeto Rede CFES Sudeste é fruto de convênio com o governo federal, por meio do Ministério do Trabalho, e contou com o apoio e parceria dos fóruns de economia solidária e cooperativismo dos estados da Região Sudeste. Em quatro anos de funcionamento, teve como objetivo principal promover a formação e o apoio à assessoria técnica em economia solidária, visando à promoção do desenvolvimento territorial sustentável, no intuito da superação da pobreza extrema na área de atuação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Limpar formulárioEnviar