cabecalho

 bot-cap2-des bot-cap3-des

REPORTAGEM: Amanda Ribeiro, Chirliana Souza, Oniodi Gregolin.
FOTOS E VÍDEO: Cristiano Giamarco/ Banco de Imagens da PMBCN
PROJETO GRÁFICO: André Carvalho

capitularLei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB – Lei nº 9.394/96), no artigo 2º, afirma que a educação é dever da família e do Estado e fundamenta-se nos princípios de liberdade e solidariedade humana para o pleno desenvolvimento do estudante, para que, dessa forma, ele exerça a cidadania e qualifique-se para o trabalho. O Projeto Educativo do Brasil Marista, alinhado à legislação brasileira e aos princípios institucionais, orienta que a prática pedagógica Marista deve integrar a formação afetiva, ética, social, política, cognitiva e religiosa e priorizar a formação integral, pautada pela pedagogia do amor, da dedicação, da presença, do respeito, com modelo educativo próprio.

Em consonância com as exigências do Projeto Educativo do Brasil Marista, o planejamento nas unidades socioeducacionais da Província Marista Brasil Centro-Norte (PMBCN), antes e durante o ano letivo, se tornou prática importante. “Assim, esse processo tem início de um ano para o outro, a partir da avaliação das atividades desenvolvidas, das reuniões e do estabelecimento de orçamento”, contextualiza a coordenadora Educacional da PMBCN, Deysiane Pontes. Todas as unidades vinculadas à Província, com atuação em 16 estados e no Distrito Federal, no decorrer do ano, investem em ações pedagógicas e pastorais, a serem desenvolvidas dentro e fora da sala de aula, com o uso de recursos tecnológicos, atividades lúdicas e foco nos resultados acadêmicos. No início do ano, os professores já passam por processo de formação durante as Jornadas Pastorais Pedagógicas. Realizadas anualmente, os eventos contribuem na construção de novos modelos de aprendizagem, gestão e evangelização.

As Jornadas Pastorais e Pedagógicas ocorrem entre os meses de janeiro e fevereiro, com o objetivo, também, de apoiar a formação das equipes e dos professores conforme os novos cenários, que pedem assertividade na condução dos processos educacionais e no seguimento aos valores Maristas, para a sustentabilidade da Missão Educativa, frente aos desafios contemporâneos. “O planejamento do ano letivo em uma escola Marista deve ser concebido, desde o princípio, na interação entre as dimensões pastoral e pedagógica”, enfatiza o coordenador de Pastoral da Província, Ir. Paulo Henrique Soares.

olho1

Na instituição Marista, o planejamento macro inicia-se a partir das áreas estratégicas do Escritório Central, em Brasília/DF. Depois, ele continua nas 30 unidades – entre colégios e escolas sociais – que, a partir das diretrizes da PMBCN nas áreas da evangelização, educação, solidariedade e defesa e garantia de direitos, implementam os planejamentos conforme as necessidades e especificidades de cada uma. O foco para 2017 são as formações acerca das matrizes curriculares e em temas direcionados aos projetos voltados às juventudes.  No Colégio Marista de Palmas (TO), o planejamento envolveu várias etapas e tempos distintos. “A primeira fase é de avaliação do ano de 2016, com reuniões às terças-feiras; já o planejamento anual dos professores seguem orientação pedagógica são às quartas-feiras”, exemplifica a diretora do Colégio, Heliane Borges.

olho2

De acordo com ela, alguns temas trabalhados durante as Jornadas Pastorais e Pedagógicas, neste ano, são Campanha da Fraternidade, Sistema Marista de Educação (SME), análise dos resultados acadêmicos no ensino médio, interioridade e mística do educador marista, gestão de processos pedagógicos, dentre outros. No Colégio Marista Palmas, os estudantes iniciaram as aulas em 23 de janeiro, com novidades na área de tecnologia e inovação. Nos ensinos fundamentais, anos iniciais e finais, os estudantes terão robótica como conteúdo interdisciplinar de Ciências e Matemática. Na educação infantil, a unidade investe em jogos matemáticos. No ensino médio terá, também, a inclusão de projeto interdisciplinar focado nos biomas brasileiros. “Demais atividades abrangem a educação integral, a gestão educacional, o bicentenário Marista, o estudo das novas edições das matrizes curriculares do Brasil Marista”, esclarece Heliane.

A professora de Matemática Andréia Ferreira, que também atua no Colégio Marista Palmas, afirma que o lúdico não pode ficar fora do planejamento. “Esse é o momento em que o estudante associa com prazer a teoria e a prática; além da ludicidade, utilizamos o ambiente virtual, dessa maneira, o estudante aprende em sala de aula e tem disponível o material complementar, como vídeos, exercícios extras, simulados, textos informativos”. Ela, que estará à frente das aulas de robótica nas turmas dos 5º e 6º anos, explica como será esse novo processo. “A robótica não será trabalhada de maneira isolada, existirá a conexão entre as outras disciplinas; no momento em que o estudante cria, explora e compartilha o material em equipe, há a integração e agregação de conhecimentos e valores, fortalece a aprendizagem”, explica Andréia. Segundo ela, a robótica é diferencial para o colégio em uma época de muitos atrativos tecnológicos aos estudantes.

box1

Atuação na área social

Na Escola Marista Champagnat de Terra Vermelha, em Vila Velha (ES), o planejamento das atividades para 2017 apoia-se em três metas principais: intensificar o ensino no 6º ano, para que as turmas acompanhem o ritmo da unidade e consigam permanecer na escola até o 3º ano do ensino médio; continuar com o processo de qualificação dos estudantes para que eles alcancem bons resultados nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); investir na qualificação dos professores com ênfase no ensino de Língua Portuguesa e de Matemática. “Por meio do Sisu, a escola tem colaborado para a inserção dos meninos [estudantes] em universidades, oportunidade para ele mudar a própria realidade social e da família”, relata a diretora Neide Lebarcky.

O bairro onde está situada a Escola integra a grande região de Vila Velha. Trata-se de área onde moram famílias em situação de risco e vulnerabilidade social, com índices preocupantes de violência e pobreza. O Marista iniciou o trabalho de educação na região há seis anos. Hoje, a Escola atende adolescentes e jovens a partir do 6º ano do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio. Atualmente, há na Escola 22 professores e mais de 40 colaboradores das equipes administrativa, pastoral, pedagógica e diretiva que apoiam nos serviços diários. A Jornada Pastoral e Pedagógica da Escola, que se realizou na última semana de janeiro de 2017, prioriza a formação no tema da inclusão de estudantes com deficiências. “Temos essa demanda e o colégio necessita estar preparado para receber e atender bem esses estudantes”, argumenta Neide.

Além do tema da inclusão, durante a Jornada, a Escola também aprofundou conceitos relevantes acerca dos 200 anos do Instituto Marista, na perspectiva dos desafios e horizontes da educação ofertada nas unidades da Província Marista Brasil Centro-Norte. “Destaco, na atuação da Escola Marista Champagnat de Terra Vermelha, a relação próxima e afetuosa estabelecida com a comunidade local e a qualidade do ensino a eles ofertada. Na escola, os estudantes encontram ambiente bem cuidado, tem acesso à Internet, adquirirem gratuitamente o material didático, além da alimentação e da bolsa de estudo”, destaca a diretora Neide Lebarcky, ao lembrar dos laboratórios de informática e de ciências, da biblioteca e da sala multimeios.

Na Escola de Terra Vermelha, a média na redação do Enem chega a 720 pontos e o índice de estudantes encaminhados à Universidade Federal do Espírito Santo é de mais de 50%, além dos demais que conseguem ingressar em outras universidades, por meio do Sisu, e em faculdades particulares, pelo Prouni. “O ranking é importante, mas pela realidade onde estamos inseridos alcançar o ensino superior é uma vitória”, comemora Neide.

box2

Atividades e eventos provinciais em 2017

info

box3

Confira dicas sobre como organizar à rotina escolar, na entrevista concedida pela vice-diretora educacional do Colégio Marista de Natal/RN Ilce Mara Cavalcanti da Silva:

DSCN3659 (FILEminimizer)

PMBCN: Como o estudante deve organizar o tempo de estudo?

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: O primeiro aspecto que o estudante precisa atentar é que estudar corresponde a trabalhar, exige responsabilidade e dedicação generosa. Pressupõe escolhas conscientes e principalmente renúncias, além de estabelecer uma hierarquia de valores em sua vida, com horários estabelecidos para a rotina de estudo. A construção da rotina de estudo deve fazer parte da vida acadêmica do estudante, desde a entrada na escola, adequada às necessidades e às demais atividades realizadas, como por exemplo, o curso de Inglês, a atividade esportiva e o lazer. Nenhuma atividade compromete o estudo, desde que esteja em sintonia com a proposta de estudo do estudante. No aspecto de tempo de estudo, deve-se considerar o ambiente que favorece a qualidade da aprendizagem, a concentração e o empenho do estudante. Uma hora de estudo pode ser mais qualificada do que duas horas interrompidas por um telefonema ou uma mensagem do whatsapp.

PMBCN: Quantas horas o estudante deve dormir por dia para ter bom rendimento escolar?

olho3

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: O sono é importante para o descanso das células do cérebro. Com o nível alto de atividades, no qual os jovens normalmente estão envolvidos, o ideal é que eles atendam entre 6 a 8 horas de sono, levando-se em consideração o ritmo próprio de cada um.

PMBCN: Quanto tempo o estudante deve dedicar para estudos em casa? 

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: Como referência, o estudante deve levar em consideração o tempo para realização das atividades propostas pela escola e o tempo para aprimorar o conhecimento. Ressaltamos que a aprendizagem está relacionada com a construção de conceitos e o estudante precisa de estudo individual para assimilação. Para o estudante de ensino médio, a necessidade está em torno de 3 horas de estudo por dia.

PMBCN: Se o estudante fica na escola o dia inteiro, a exemplo dos turnos integrais e dos estudantes do 3º ano do ensino médio, como ele deve se organizar para essa rotina?

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: Uma escola que propõe tempo integral, geralmente, dispõe de organização curricular, com proposta de estudos avançados e monitorados.  Para o estudante do 3º ano do ensino médio, a organização dos estudos precisa de distribuição equilibrada. A rotina do estudante, bem como o acompanhamento da família, é fundamental para o sucesso tão almejado dos que concluem o ensino médio.

PMBCN: Como o estudante deve se alimentar?

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: A alimentação deve ser equilibrada, com horários estabelecidos, dentro do possível, buscando um dia a dia saudável no decorrer da jornada estudantil.

PMBCN: Exercícios físicos contribuem ao desenvolvimento cognitivo?

Ilce Mara Cavalcanti da Silva: Sim, alguns exercícios favorecem a concentração do estudante, a socialização, o cumprimento às regras e à disciplina, aspectos fundamentais para o desenvolvimento cognitivo.

< Leia o capítulo 1                                                                                                               Leia o capítulo 3 >