Foto: Andreia Julio de Oliveira Rocha. (Foto: Ascom/PMBCN)

Foto:*Andreia Julio de Oliveira Rocha. (Foto: Ascom/PMBCN)

 

Desde tempos antigos, a Matemática intuitiva esteve presente na vida cotidiana do homem. Isso nos encaminha a compreensão de que essa Matemática, sistematizada, em nossas salas de aula, foi desenvolvida pelo homem e por sua necessidade de sobreviver ao meio social.

A partir de uma observação mais atenta, encontramos a Matemática com sua infinidade de padrões, e beleza. Grandes matemáticos como Leonardo de Pisa, que apresentou ao mundo a sequência de Fibonacci, podendo ser percebida na natureza nas folhas das árvores, nas pétalas das rosas, nos frutos como o abacaxi, nas conchas espiraladas dos caracóis.

Essas observações acredito nos levam a uma reflexão sobre os fundamentos da aprendizagem em Matemática, quando nos reportamos a resolução de problemas e ao trabalho com cenários de investigação. Entre vários nomes, podemos citar autores como Piaget, e outros psicólogos do desenvolvimento, educadores matemáticos, como Skovsmose, mas recentemente em cenários investigativos. Ponte, com os “estudos de aula”, ao buscar a formação de professores de Matemática e auxiliar para que estes profissionais da área se preocupassem ou se concentrassem em como se aprende e se ensina a Matemática, desde a educação infantil até o ensino médio.

A compreensão de que esses estudos fazem parte de nosso dia-a-dia, nos encaminha a outras reflexões sobre os desafios enfrentados na busca dessa aprendizagem em Matemática. Afinal, é verdade que simplesmente “deletamos” ou “apagamos” de nossa memória os conteúdos que tanto nos desafiaram durante as “provas escolares”, para que serviriam? E se a escola valorizasse os potenciais de aprendizado dos alunos, e se a família também o respeitasse? Teríamos possibilidades expandidas de direito a aprendizagem, e porque não dizer garantias ao direito e à diferença.

Nesse processo de aprendizagem, a família, acredito, exercerá papel fundamental, pois é nela que o estudante encontra base segura que irá auxiliá-lo a enfrentar os acontecimentos da vida, se sentir apoiado.  Fará com que o indivíduo se torne responsável por sua aprendizagem no futuro. Mesmo diante das tecnologias, que aproximam os indivíduos, ainda acredito que o sucesso da aprendizagem, não só na Matemática, tem sim relação direta de dependência e parceria com professores e também com a família, que propiciará ambientes para que novas observações sejam realizadas, novas “matemáticas “ identificadas em suas intenções e ações não necessariamente nesta ordem.

A família é a base que fornecerá instrumentos eficazes para que os nossos estudantes possam compreender e atuar no mundo que os cerca que é o maior objetivo da aprendizagem matemática, cabe a está então manter, um canal direto com a escola, assim como, acompanhar as atividades realizadas no ambiente escolar e fora dele, trocando ideias sobre essas atividades com seus filhos, mas nunca comparando com outros indivíduos.

Por fim, acredito que quando a família se aproxima das atividades realizadas no ambiente escolar, não somente na área de Matemática, mas em todas as áreas, demostrando interesse por essas atividades, terão por consequência uma aproximação de seu filho, o que refletirá diretamente no comportamento do estudante, de forma positiva, pois ele se sentirá amparado e protegido, o que será determinante para sua formação.

_________________________________________________________________________________________________________

Sobre a autora:

Analista na Coordenação Educacional, da Gerência Socioeducacional da Província Marista Brasil Centro-Norte (PMBCN), é graduada em Licenciatura, com mestrado em Ciências Naturais e Matemática, pela Universidade Federal Rio Grande do Norte. Atua como membro da diretoria da Sociedade Brasiliense de Educação Matemática – SBEM/DF, além de coordenar o curso de Matemática do Centro Universitário Estácio de Sá/DF.

2 Comments
  1. Edinei

    Sou aluno do curso de licenciatura em matemática da Estácio /DF, Simplesmente a melhor coordenadora que eu conheço… Parabéns professora Andreia…

  2. Marcus V. R. Ferreira

    Andreia é uma professora excepcional de matemática e uma grande disseminadora do saber científico. O artigo é excelente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Limpar formulárioEnviar