PROPOSTA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROPOSTA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

             “Avançar juntos, Irmãos e leigos, de maneira resoluta e manifesta, aproximando-os mais das crianças e dos jovens mais pobres e excluídos, mediante novos caminhos de educação, de evangelização e de solidariedade”.

                                               Escolhamos a vida. Documento do 20º Capítulo Geral

             Compreender a filosofia Marista como um marco na educação de milhares de crianças e jovens de Aracati, é conceber que a espiritualidade apostólica de São Marcelino está intrínseca à nossa maneira de educar e ensinar.

            Champagnat nos revela que, “Nosso objetivo é mais abrangente, queremos educar as crianças e instruí-las sobre seus deveres, ensinando-lhes a praticar e a infundir-lhes o espírito e os sentimentos do crescimento, os hábitos religiosos, as virtudes do cristão e do bem cidadão…” Missão Educativa Marista.

 

1. A CRIANÇA

             A criança é nossa prioridade, a LDB (1996) e, sobretudo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil RCNI, MEC, (1999), diz com prioridade que “as crianças possuem uma natureza singular, que as caracterizam como seres que pensam o mundo de um jeito muito próprio. No processo de construção do conhecimento, estabelecem relações com as outras pessoas e com o meio em que vivem, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação.”

            A Educação Infantil constitui, hoje, um segmento importante do sistema educacional do país, reconhecida como a primeira etapa da educação básica. Diante dessa realidade, é fundamental repensar o fazer na Educação Infantil, buscando nesse contexto uma aprendizagem mais significativa, construída a partir dos conhecimentos prévios da criança, respeitando as suas fases maturacionais, como um ser que se relaciona consigo, com os outros e com a natureza. Sendo assim, é mister que nesse momento seja o melhor possível, pois terá repercussões no futuro.

            A Educação Infantil do Colégio Marista de Aracati tem como meta, contemplar a criança em sua totalidade, favorecendo a construção do seu conhecimento, respeitando às suas diferenças e às suas particularidades, cumprindo assim, duas funções indissociáveis a esta etapa: a do cuidar e do educar, propiciando assim o desenvolvimento da criança seus aspectos, físico, psicológico, cognitivo, cultural e social.

            A primeira experiência da criança na escola, expandirá a curiosidade, estimulará o desejo pela aprendizagem e ela sentir-se-á segura ao se separar de seus pais, portanto é imprescindível que dediquemos total interesse para atender às suas expectativas escolares.

 

 2. O TRABALHO COM PROJETOS

             Nossa proposta pedagógica compreende que a criança é sujeito de sua aprendizagem, que na sua relação com o outro, é capaz de mudar o mundo. A concepção em que nos apoiamos é o sociointeracionismo, no qual a ação pedagógica é dinamizada constantemente pelas relações que se estabelecem na sala de aula e no escolar, pelo fazer cotidiano do professor. Nessa perspectiva trabalharemos com a Pedagogia de Projetos que está em consonância com os nossos objetivos. Nosso trabalho parte de um olhar diferenciado sobre a criança e sobre a nossa maneira de ensinar buscando incluí-la ao máximo no processo.

            Hernandez (1998), um consolidar nossa proposta quando afirma a necessidade de embasar uma nova prática de estudo, sem perder a contextualização na qual se insere o aluno e sua vida especial.

            O trabalho com projetos, amplia ainda as possibilidades de trabalhar com os conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais e a articulação das diferentes áreas do conhecimento, além de proporcionar o desenvolvimento das aprendizagens.

 

 3. EIXOS NORTEADORES

             A Educação Infantil é um espaço de inventividade, onde a criança pode criar e recriar. A música, proposta no referencial é considerada uma linguagem e forma de conhecimento, presente no cotidiano das crianças, buscam garantir um excelente meio para o desenvolvimento da expressão, da auto-estima e autoconhecimento, além de poderoso instrumento de integração social.

            O Ensino religioso pretende desenvolver a construção da identidade, a dimensão da transcendência, fundamentado nas relações de segurança, da proteção e do afeto. São Marcelino Champagnat, educador nato e excepcional deixou-nos como legal deixou-nos como legado o segredo de sua eficácia: o exemplo e a simplicidade com que se relaciona as crianças e diz que: Para bem educar uma criança é preciso antes de tudo amá-la. O trabalho com a psicomotricidade é o caminho pelo qual à criança estabelece uma relação sadia com o corpo e a mente, organizando e controlando o movimento, ela é capaz de construir melhor suas habilidades motoras.

 

 3. O PROFESSOR

             O professor não é mero espectador do caminho que a criança vai percorrendo, é o mediador do processo, que oportuniza desafios e conquistas das crianças, considerando cada estágio do desenvolvimento infantil. Para consistência e êxito do trabalho, reconhecemos a importância da leitura, da pesquisa e dos estudos, tendo em vista às constantes transformações no campo educacional. O professor, consciente de sua missão, desafia e problematiza situações de aprendizagem, estimulando, transformando e promovendo o conhecimento.

            “A melhor herança que o educador pode deixar a uma criança é permitir-lhe traçar seu próprio caminho e percorrê-la por completo com seus próprios pés.”

Isadora Duan

 4. A AVALIAÇÃO

             A avaliação, de acordo com a LDB 9394/96 na seção II, art. 31, referente à Educação Infantil que…” far-se-á mediante o acompanhamento registro do seu desenvolvimento, sem objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental, assim sendo, a avaliação e um elemento indissociável do processo educativo. As observaçaões e registros sistemáticos acontecerão diariamente, fazendo anotações em um caderno, onde registra livremente os novos acontecimentos, as conquistas e/ou avanços, suscitados pelas situações de sala. Cada criança ao final do ano letivo terá um portifólio, contendo os trabalhos mais significativos, contemplando o desenvolvimento da representação gráfica, as conquistas a nível lógico-matemático e dos conhecimentos de ciências naturais e sociais; construindo assim uma parte de sua história. Os demais trabalhados construídos em sala e em casa serão entregues bimestralmente aos pais.

 

“A criança constrói a si própria, quer queiramos ou não, não há como obstar o seu desenvolvimento, pois o objetivo (inconsciente) dela é o seu próprio desenvolvimento”.

Maria Montessori